- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 31 de julho de 2010

Felicidade e Progresso

Criados para a felicidade, temos constante e progressivamente nos afastado deste caminho, devido ao mal uso de nosso livre-arbítrio.


Livre-arbítrio é a possibilidade dada, pelo nosso Criador, da escolha dos caminhos a percorrer, onde podemos optar por desenvolver vícios ou virtudes.

Facilmente concluímos que desenvolvendo virtudes, nos aproximamos da felicidade e ao optarmos pelos vícios, nos afastamos dela. Acompanhando nossas escolhas, vem a nossa responsabilidade, que é proporcional ao conhecimento que tivermos das conseqüências causadas pelas mesmas. Portanto, respondemos por todo o mal que causarmos, seja ao nosso próximo, a sociedade, aos animais, as plantas ou ao planeta, proporcional à gravidade dos problemas causados.

Fomos criados por Deus simples e ignorantes (no sentido da ausência de conhecimento) para que tivéssemos o mérito das nossas conquistas e do progresso por nós alcançado. Para auxiliar-nos, Deus gravou em nosso coração suas leis, que são imutáveis e perfeitas. Enviou ao nosso planeta diversos profetas, com a missão de orientar a população deste orbe. E posteriormente solicitou a intervenção pessoal de Jesus, espírito puro que veio até a Terra exemplificar os ensinamentos de Deus, provando-nos ser possível aplicá-los em nossas vidas. Atualmente contamos com os conselhos dos espíritos superiores, através da mediunidade, seja a psicofonia ou a psicografia.

Aquele que estuda e aplica o Evangelho de Jesus, que procura viver de maneira cristã, decidido a adentrar pela “Porta Estreita”, conquista virtudes e se afasta do sofrimento. Os que procedem de forma egoísta, sem levar em consideração as Leis Divinas, desenvolvem os vícios, afastando-se da felicidade e aproximando-se do sofrimento.

O sofrimento não foi criado por Deus, é fruto da forma errônea que a humanidade tem vivido, pois “a cada um segundo suas obras”. É só abrirmos as páginas dos jornais para nos depararmos com todos os tipos de atrocidades, atitudes que muitas vezes duvidamos serem tomadas por um ser humano.

E como ainda estamos na infância espiritual, necessitamos sofrer os males que causamos aos outros, para que possamos entender que nossa atitude foi danosa. Muitos seres humanos ainda se acham acima de tudo e de todos, até mesmo de Deus, acreditando que apenas ele deva ser beneficiado. Então, deverá colher o fruto amargo de suas más atitudes, podendo ser nesta vida ou em outra posterior. Dependerá de seu amadurecimento para compreender os ensinamentos colhidos de sua vivência.

Assim, ser feliz depende de nossa boa vontade, de nossas atitudes, de nosso empenho. A felicidade é uma conquista individual, onde necessitamos conhecer os ensinamentos de Jesus e aplicá-los em nossa vida.

(Denise)

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Perispírito

Para entender a existência da vida na dimensão física e espiritual, a relação com o mundo espiritual através do intercâmbio mediúnico, a reencarnação e a desencarnação, é necessário perceber o ser humano de forma integral. E nesse aspecto um componente se mostra fundamental: o estudo do perispírito.

Allan Kardec observa que o homem é um ser complexo, formado de três partes essenciais: o corpo ou ser material; a alma, espírito encarnado que tem no corpo a sua habitação; o princípio intermediário, ou perispírito, substância semimaterial que serve de primeiro envoltório ao espírito e liga a alma ao corpo.

Mais tarde, o codificador escreveu que o perispírito, ou corpo fluídico dos espíritos, é um dos mais importantes produtos do fluido cósmico; é uma condensação desse fluido em torno de um foco de inteligência ou alma. É semimaterial, isto é, pertence à matéria pela sua origem e à espiritualidade pela sua natureza etérea.

O nosso corpo de matéria rarefeita está intimamente regido por sete centros de força, que se conjugam nas ramificações dos plexos e que, vibrando em sintonia uns com os outros, ao influxdo do poder diretrisz da mente, estabelecem, pra nosso uso, um veículo de células elétricas, que podemos definir como sendo um campo eletromagnético, no qual o pensamento vibra em circuito fechado.

Sendo agente da alma, o perispírito não deixa de ser matéri, ainda que de natureza etérea. desse modo, apresenta certa densidade, que se relaciona com o grau de evolução do ser. A natureza etéria do perispírito permite ao espírito, se presentes as necessárias condições mentais, atravessar qualquer barreira física (penetrabilidade). Durante o sono físico, poderá expandir-se, permitindo os processos de emancipação da alma, permanecnedo ligado ao corpo por um cordão fluídico (expansibilidade).

Por sua natureza fluídica, é capaz de absorver (absorvente) fluídos do ambiente em que se encontre, inclusive aqueles por ele mesmo qualificados pela sua condição mental. Em alguns casos e sob o império de certas circunstâncias, o perispírito pode tornar-se visível (tangibilidade). A tangibilidade pode se tornar real, ou seja, se pode tocar, apalpar e sentir a mesma resistência e o mesmo calor que parte de um corpo vivo.

Em virtude de sua natureza etérea, o espírito não pode atuar sobre a matéria grosseira, sem intermediário, sem o elemento que o liga à matéria. Da mesma forma, quando revestido do corpo material, os estímulos do mundo físico, captados através dos órgãos dos sentidos corpóreos, só chegam ao espírito através da dupla polaridade do perispírito. O perispírito é o transmissor e receptor das sensações do ser. O espírito quer, o perispírito transmite e o corpo executa.

O perispírito é apenas um agente de transmissão. Sem a alma, princípio inteligente, o perispírito, assim como o corpo material, é uma matéria inerte, privada de vida e de sensações. As sensações, as percepções, a inteligência, o pensamento, não são atributos do perispírito, mas sim do espírito.

O perispírito é o organizador e aglutinador da matéria do plano físico. Na reencarnação, um laço fluídico envolve o óvulo fecundado, passando, sob o comando da mente, a estruturar a nova vida. Sendo o perispírito o responsável pelo genótipo, ou parte externa do corpo somático, tudo indica que as impressões digitais jamais se extraviam enquanto o espírito necessitar reencarnar na Terra.

O perispírito desempenha papel essencial em todos os processo mediúnicos. É a chave para se entender os fenômenos espíritas, pois é por meio do perispírito que os espíritos agem sobre a matéria inerte e produzem as diferentes manifestações, que podem ser de efeitos físicos (barulho, pancadas) ou intelectuais ( transmissão do pensamento, visão e audição). Através do perispírito que o pensamento é irradiado (veículo do pensamento). Nos desencarnados a percepção se dá através do perispírito não mais limitado pelos órgãos do corpo físico. É o órgão sensitivo do espírito.

O perispírito é o organismo que personaliza, individualiza e identifica o espírito. Perispírito e espírito são inseparáveis e indestrutíveis companheiros na trajetória evolutiva. Assim como o corpo físico, o perispírito é o reflexo das construções do espírito durante sua jornada evolutiva. Qualquer pensamento ou sentimento, por mais secreto que seja, repercutirá no perispírito (plasticidade). Por essa razão, com a evolução espiritual, o envoltório fluídico do espírito se renova e se ilumina. A intensidade da irradiação (luminosidade) está na razão direta da pureza do ser.

por isso, na dimensão espiritual, o desencarnado nada poderá ocultar. Sua veste nupcial (perispírito) denunciará o seu estado íntimo. Além disso, o peso específico, determinará o lugar para onde será atraído ou conduzido.

Reformar pensamentos, sublimar sentimentos, lapidando as imperfeições são necessidades impostergáveis, para nos garantir um futuro melhor nesta e, principalmente, na outra dimensão da vida.

(Cleto Brutes)