- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


terça-feira, 17 de outubro de 2017

RIQUEZA E FELICIDADE

Cap. XVI – Item 5
Há ricos do dinheiro, tão ricos de usura, que se fazem mais pobres que os pobres pedintes da via pública que, muitas vezes, não dispõem sequer de um pão.
Há ricos de conhecimento, tão ricos de orgulho, que se fazem mais pobres que os pobres selvagens ainda insulados nas trevas da inteligência.
Há ricos de tempo, tão ricos de preguiça, que se fazem mais pobres que os pobres escravizados às tarefas de sacrifício.
Há ricos de possibilidades, tão ricos de egoísmo, que se fazem mais pobres que os pobres irmãos em amargas lutas expiatórias, que de tudo carecem para ajudar.
Há ricos de afeto, tão ricos de ciúme, que se fazem mais pobres que os pobres companheiros em prova rude, quando relegados à solidão.
Lembra-te, pois, de que todos somos ricos de alguma coisa ante o Suprimento Divino da Divina Bondade e, usando os talentos que a vida te confia na missão de fazer mais felizes aqueles que te rodeiam, chegará o momento em que te surpreenderás mais rico
que todos os ricos da Terra, porquanto entesourarás no próprio coração a eterna felicidade que verte do amor de Deus.
Emmanuel

Fonte: O Espírito da Verdade         
Francisco Cândido Xavier - Waldo Vieira
imagem: google

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

TESTEMUNHO

“Respondeu-lhe Jesus: — Dizes isso de ti mesmo ou foram outros que to disseram de mim?” — (JOÃO 18:34)
A pergunta do Cristo a Pilatos tem significação mais extensiva.
Compreendemo-la, aplicada às nossas experiências religiosas.
Quando encaramos no Mestre a personalidade do Salvador, por que o afirmamos? estaremos agindo como discos fonográficos, na repetição pura e simples de palavras ouvidas?
É necessário conhecer o motivo pelo qual atribuímos títulos amoráveis e
respeitosos ao Senhor. Não basta redizer encantadoras lições dos outros, mas viver substancialmente a experiência íntima na fidelidade ao programa divino.
Quando alguém se refere nominalmente a um homem, esse homem pode
indagar quanto às origens da referência.
Jesus não é símbolo legendário; é um Mestre Vivo.
As preocupações superficiais do mundo chegam, educam o espírito e passam, mas a experiência religiosa permanece.
Nesse capítulo, portanto, é ilógico recorrermos, sistematicamente, aos
patrimônios alheios.
É útil a todo aprendiz testificar de si mesmo, iluminar o coração com os ensinos do Cristo, observar-lhe a influência excelsa nos dias tranqüilos e nos tormentosos.
Reconheçamos, pois, atitude louvável no esforço do homem que se inspira na exemplificação dos discípulos fiéis; contudo, não nos esqueçamos de que é contraproducente repousarmos em edificações que não nos pertencem, olvidando o serviço que nos é próprio.

Fonte: CAMINHO, VERDADE E VIDA
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER/EMMANUEL
imagem: google

sábado, 14 de outubro de 2017

CONSCIÊNCIA E PLENITUDE

                Não temas a morte, nem receies a vida.
                Vive de tal forma que ante a desencarnação te encontres em paz, atravessando o fenômeno biológico com a naturalidade de quem adormece com a certeza inconsciente do despertar.
                Nenhuma expectativa, inquietação alguma.
                Prepara-te para te transferires da faixa orgânica para a espiritual com segura tranquilidade.
                Enquanto estejas na vida corporal, exercita-te na fraternidade, não te deixando perturbar por querelas e paixões dissolventes.
                Cuida de viver, com intensidade e sem cansaço, as horas da existência, deixando-as passar com real aproveitamento, de modo que a recordação delas não te cause remorso ou lamentação.
                Às vezes, breves minutos no corpo são definidores de futuro auspicioso, em face da claridade de consciência para identificar os erros praticados e assimilar realizações plenificadoras.
                Os momentos de consciência profunda, objetiva, proporcionam a memória da plenitude, passo inicial para a integração no espírito total da vida.

Fonte: MOMENTOS DE SAÚDE E DE CONSCIÊNCIA
Divaldo P. Franco/Joanna de Ângelis       
imagem: google 

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

A SERENIDADE DA FÉ II

                Pessoas existem que, a pretexto de fraternidade, aderem aos mais diversos conceitos filosóficos, sem assumirem comportamento nenhum. Dizem-se neutras.
                Criaturas há que, em nome da tolerância religiosa, adotam várias correntes da revelação através dos tempos, mas não se integram a movimento atuante nenhum. Afirmam-se universalistas.
                Companheiros aparecem que, expressando cautela e recato, concordam com as inúmeras colocações espiritualistas, imaginando-se coerentes com as circunstâncias em que se encontram, nunca porém produzindo para o bem. Informam-se observadores ainda não definidos.
                Toda postura de fé, certamente, é respeitável.
                Tu, porém, já encontraste o roteiro e a bússola, sabendo onde está o porto e como preparar-te para o desembarque do veículo carnal...
                Tolera, mas não conivas.
                Compreende, porém, não concordes.
                Estimula todos, no entanto, não saias do caminho que a Doutrina Espírita tem traçado para aqueles que a conhecem.
                Quando caluniado pelos libertos e levado ao Sinédrio para responder às acusações que lhe faziam, Estêvão manteve-se sereno e confiante de tal forma, que todos os que estavam sentados, fitando os olhos nele, viram o seu rosto com o rosto de um anjo, conforme os apontamentos dos Atos 6:15.
                A fé, corretamente vivida, harmoniza a criatura que não teme nem se precipita, irradiando a serenidade que se reflete no rosto dos anjos.


Fonte: ALERTA – Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis
imagem: google

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

A SERENIDADE DA FÉ I

                Confessa o teu compromisso espírita através dos atos, sem o alarde verbalista nem a impetuosidade presunçosa.
                Sê compreensivo para com as convicções do teu próximo, sem contudo disfarçar a tua postura religiosa.
                O espiritismo concede-te a visão plena da vida, elucidando-te os difíceis mecanismos do processo da evolução.
                Faz-te compreender que a dor de qualquer natureza é bênção, jamais castigo, mediante cujo buril aprimoras-te, encetando compromissos superiores que te levarão à paz.
                Ajuda-te a permanecer nas ações edificantes embora os resultados aparentemente demorados.
                Acalma-te, em razão do melhor entendimento das causas dos problemas que se expressam como aflições variadas.
                Em razão disso, não te podes escusar a responsabilidade ante os desafios da existência, vivendo a fé espírita.


Fonte: ALERTA – Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis
imagem: google

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

PEDRAS DA VIDA


Há situações que constituem
A nossa prova aflitiva e áspera, mas
Redentora e santificante.
Perdoemos as pedras da vida pelo
Ouro de experiência e de luz que nos
Oferecem.
E, sobretudo, armemo-nos de
Coragem para o trabalho, porque é na dor
Do presente que corrigimos as lutas de
Ontem, acendendo abençoada luz para o
Nosso grande porvir.


Fonte: Bezerra, Chico e Você – Chico Xavier/Bezerra de Menezes
imagem: google

terça-feira, 10 de outubro de 2017

MADRE TEREZA E A VARA DE PESCAR

Certa vez, Chico compareceu a um programa de televisão em Uberaba, sendo indagado a respeito desse assunto, por um médico:
“Por que os espíritas, ao invés de ensinarem a pescar, dão o peixe?”.
Chico respondeu-lhe que Jesus, antes do célebre Sermão da Montanha, multiplicou pães e peixes para a multidão faminta, primeiro alimentando a fome do povo, depois ensinando o caminho do Reino. Não podemos pregar religião a quem está com fome, de barriga vazia, pois a fé sem obras é morta.
Em visita ao Brasil, madre Tereza de Calcutá deu a um repórter resposta semelhante à do Chico, quando interrogada sobre o mesmo assunto. Ela respondeu: “Meu filho, mas como é que vamos fazer, se as pessoas que alimentamos sequer têm forças para sustentar uma vara? Como elas irão pescar?”
Chico tem feito o que lhe é possível fazer em benefício do próximo, sem se preocupar com a opinião pública, porque elas são as mais diferentes possíveis.
Enquanto os outros opinam, Chico faz, Chico trabalha. (julho de 1990)


Fonte: LIÇÕES DE SABEDORIA - MARLENE ROSSI SEVERINO NOBRE
imagem: google

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

NO MUNDO ÍNTIMO

Espírito: EMMANUEL.
Em todos os problemas que se reportam à construção e à produção, nos círculos da natureza exterior, surpreendemos recursos drásticos na base das equações necessárias.
É o atrito, na direção do progresso, esmerilando, moldando, corrigindo,
aperfeiçoando...
O solo, na plantação, tolera o corte do arado a lanhar-lhe o corpo submisso.
O fruto amadurecido recebe a pancada do segador, no dia da ceifa, de modo a transformar-se em pão que sustente a mesa.
Antes que o asfalto complemente a segurança da estrada, é preciso que a terra suporte os ataques da picareta.
Para que a pedra venha do serro bruto ao trabalho do homem, quase sempre, sofre a ação do explosivo controlado.
O minério, a fim de elevar-se ao nível da indústria, encontra o forno de alta tensão.
O mármore, candidato à obra-prima, submete-se à pressão do cinzel.
A planta para derramar a seiva nutriente ou curativa, sujeita-se aos golpes do incisor.
Na cirurgia o órgão doente, para reabilitar-se, experimenta os lances do bisturi.
Instrumentos os mais diversos auxiliam o homem a expurgar, edificar, brunir, renovar.
Entretanto, nos grandes conflitos do sentimento, diante das tempestades morais e das provas constrangedoras que atormentam a alma e convulsionam a vida, o remédio indispensável será sempre a constância da paciência gerando a força da paciência.


Fonte: Ideal Espírita – Chico Xavier/Espíritos Diversos
imagem: google

sábado, 7 de outubro de 2017

TEMPO E NÓS

ANDRÉ LUIZ
Você diz que não tem dinheiro para socorrer aos necessitados, mas dispõe de tempo para auxiliar de algum modo.
Você afirma que não pode escrever longa carta ao amigo que lhe pede conforto, mas dispõe de tempo para fazer um bilhete.
Você diz que não possui elementos para clarear o caminho dos que jazem no erro, mas dispõe de tempo a fim de articular algumas palavras, a benefício dos que se demoram na ignorância.
Você afirma que lhe falta competência, diante das tribunas edificantes, mas dispõe de tempo para essa ou aquela frase de esperança e consolo.
Você diz que não detém qualquer dom mediúnico que lhe garanta as atividades na sementeira do bem, mas dispõe de tempo, a fim de colaborar na assistência aos irmãos em obstáculos muitos maiores do que os nossos.
Você afirma que não retém bastante saúde para alentar essa ou aquela tarefa no bem aos outros, mas dispõe de tempo que lhe faculte ofertar migalha de gentileza no amparo aos semelhantes.
Você diz que caiu moralmente e não mais pode estender a luz da fé, mas dispõe de tempo para levantar e seguir adiante.
Você afirma que o companheiro é difícil de suportar, mas dispõe de tempo para renovar-lhe a maneira de ser, através dos seus próprios exemplos.
Você diz que a dificuldade é insuperável, mas dispõe de tempo a fim de contorna-la, atingindo a realização do melhor.
Você afirma que a sua felicidade acabou e estira-se na estrada, como se a sua provação fosse mal sem remédio...
Meu amigo observe o tempo, pense no tempo, aceite o tempo e agradeça ao tempo, de vez que o tempo recomeça a cada dia e todos nós, com a Bênção de Deus, tudo podemos recomeçar.


Da Obra “UApostilas da VidaU” -Espírito: André Luiz - Médium: Francisco Cândido Xavier.
imagem: google

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

CORRUPÇÃO

Os índices de corrupção no mundo são assustadores. Isso tem suscitado muitos questionamentos sobre as razões desse comportamento do homem.
Como o Cristianismo ensina um comportamento diametralmente oposto, o índice de corrupção deveria ser muito pequeno nos países cristãos.
O apóstolo Pedro, em sua segunda carta aos cristãos, aborda dois aspectos desse comportamento. Num deles, coloca a corrupção como vencedora e o que a pratica como vencido por ela, consequentemente seu escravo. No outro, aborda a responsabilidade do cristão que não resiste à sedução dos interesses materiais. Envolve-se em ato de corrupção e fica numa situação pior, devido à consciência de estar agindo em desacordo com os ensinamentos evangélicos e, portanto, contrariamente às leis de Deus.
O Espiritismo nos apresenta uma explicação lógica para esse comportamento humano inadequado. Sem dúvida, a prática da corrupção é uma das consequências do egoísmo, tema que é estudado nas questões 913 até 917 de O Livro dos Espíritos.
Ensinam-nos os Espíritos que todos os males decorrem do egoísmo, imperfeição moral que não diminui com o desenvolvimento intelectual. Ao contrário, pode até fortalecer-se, porque o homem vislumbra a possibilidade de usar a sua inteligência, conhecimentos e habilidades para atender aos seus interesses pessoais, portanto, de satisfazer ao egoísmo.
Como pode a Doutrina Espírita colaborar na erradicação da corrupção?
O conhecimento espírita desperta no homem a consciência de que reencarna para progredir, principalmente no campo moral. Ele compreende que não progredirá se não combater as imperfeições, os defeitos morais, sobretudo o egoísmo. Enquanto o egoísmo exercer forte influência sobre as ações do ser humano, dificilmente a corrupção deixará de existir.
No futuro, quando a Humanidade conhecer os ensinamentos de Jesus e praticá-los, a corrupção desaparecerá e a justiça social deixará de ser um sonho, uma esperança, para se transformar em realidade.

Umberto Ferreira

Fonte: Reformador – março/2006
imagem: google

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

PROVAS DECISIVAS

Cap. V – Item 19
Clamas contra o infortúnio que te visita e desespera-te, sem reação construtiva, ante as horas de luta.
Falaram-te do Senhor e dos aprendizes abnegados que o seguiram, nas horas primeiras, na senda marginada de prantos e sacrifícios...
Queres, porém, comungar-lhe a paz e viver em menor esforço...
Todavia, quase todos os grandes vultos da humanidade, em todas as épocas e em todos os povos, passaram pelo tempo das provas decisivas.
Senão observemos:
Cervantes ficou paralítico da mão esquerda e esteve preso sob a acusação de insolvente, mas sobrepairou acima da injúria e legou um tesouro à literatura da Terra.
Bernard Palissy experimentou tamanha pobreza que chegou, em certo momento, a queimar a mobília da própria casa, a fim de conseguir suficiente calor nos fornos em que fazia experiências; contudo, atingiu a perfeição que desejava em sua obra de ceramista.
Shakespeare sentiu-se em tão grande penúria, que se achou, um dia, a incendiar um teatro, tomado de desespero; entretanto, superou a crise e deixou no mundo obras-primas inesquecíveis.
Victor Hugo esteve exilado durante dezoito anos; todavia, nunca abandonou o trabalho e depôs o corpo físico, no solo de sua pátria, sob a admiração do mundo inteiro.
Faraday, na mocidade, foi compelido a servir na condição de ajudante de ferreiro, de modo a custear os próprios estudos; no entanto, converteu-se num dos físicos mais respeitados por todas as nações.
Hertz enfrentou imensa falta de recursos e foi vendedor de revistas para sustentar-se; entretanto, venceu as dificuldades e tornou-se um dos maiores cientistas mundiais.
De igual modo, entre os espíritas as condições de existência terrestre não têm sido outras.
Na França, Allan Kardec sofreu, por mais de uma década, insultuoso sarcasmo da maioria dos contemporâneos; contudo, jamais desanimou, entregando à posteridade o luminoso patrimônio da Codificação.
Na Espanha, Amália Domingo Sóler, ainda em plenitude das forças físicas, tolerou o suplício da fome, na flagelação da cegueira; todavia, nunca duvidou da Providência Divina, consagrando ao pensamento espírita a riqueza de suas páginas imortais.
No Brasil, Bezerra de Menezes, abdicando das fulgurações da política humana e, não obstante a posição de médico ilustre, partiu da Terra, em extrema necessidade material, o que não impediu a sua elevação ao título de Apóstolo.
Em razão disso, não te deixes vencer pelos obstáculos.
A resignação humilde, a misturar lágrimas e sorrisos, anseios e ideais, consolações e esperanças, constrói sobre a criatura invisível auréola de glória que se exterioriza em ondas de simpatia e felicidade.
Quando o carro de tua vida estiver transitando pelo vale da aflição, recorda a paciência e continua trabalhando, confiando e servindo com Jesus.
Lameira de Andrade

Fonte: O Espírito da Verdade         
Francisco Cândido Xavier - Waldo Vieira
imagem: google

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

LEVANTEMO-NOS

“Levantai-vos, vamo-nos daqui.” — Jesus. (JOÃO 14:31)

Antes de retirar-se para as orações supremas no Horto, falou Jesus aos discípulos longamente, esclarecendo o sentido profundo de sua  exemplificação.
Relacionando seus pensamentos sublimes, fez o formoso convite inserto no Evangelho de João:
— “Levantai-vos, vamo-nos daqui.”
O apelo é altamente significativo.
Ao toque de erguer-se, o homem do mundo costuma procurar o movimento das vitórias fáceis, atirando-se à luta sequioso de supremacia ou trocando de domicilio, na expectativa de melhoria efêmera.
Com Jesus, entretanto, ocorreu o contrário.
Levantou-se para ser dilacerado, logo após, pelo gesto de Judas.
Distanciou-se do local em que se achava a fim de alcançar, pouco depois, a
flagelação e a morte.
Naturalmente partiu para o glorioso destino de reencontro com o Pai, mas
precisamos destacar as escalas da viagem...
Ergueu-se e saiu, em busca da glória suprema. As estações de marcha são eminentemente educativas: — Getsêmani, o Cárcere, o Pretório, a Via Dolorosa, o Calvário, a Cruz constituem pontos de observação muito interessantes, mormente na atualidade, que apresenta inúmeros cristãos aguardando a possibilidade da viagem sobre as almofadas de luxo do menor esforço.

Fonte: CAMINHO, VERDADE E VIDA
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER/EMMANUEL
imagem: google

terça-feira, 3 de outubro de 2017

CONSCIÊNCIA E ALIENAÇÕES MENTAIS

                Na psicogênese profunda das alienações mentais encontra-se a consciência de culpa, geradora dos tormentos que se apresentam como processos de reedificação, recompondo os painéis do dever mediante os dolorosos mecanismos da desordem mental.
                O desarranjo dos equipamentos psíquicos proporciona ao espírito sofrimentos insuspeitáveis, como forma rigorosa de apaziguamento da consciência.
                Sendo o homem o autor da sua realidade moral através da conduta que se permite no curso das existências corporais, em cada etapa elabora o método de crescimento interior pelo que realiza.
                Quando delinque, insculpe a fogo no seu arcabouço profundo os meios reparadores, particularmente na área mental.
                Ignoradas as ações infelizes que a justiça humana não alcança, a consciência, que sabe, desarticula os complexos mecanismos da razão em desequilíbrio, que somente a dor expungitiva recomporá.
                No quadro das alienações mentais, seja nas psicopatologias conhecidas e academicamente estudadas ou nas graves obsessões, é a consciência culpada que faculta a instalação do mal que se exterioriza de maneira rigorosa em processo de reajustamento e reequilíbrio.
                A consciência equânime se mantém com os recursos dos bons pensamentos e das reflexões, que são os meios valiosos ao alcance do ser para a sua plena edificação.
                A consciência lúcida e tranquila é a terapeuta segura para as alienações mentais, razão pela qual todo paciente que requeira a saúde, não se deve escusar ao trabalho hercúleo de pacificar-se, usando a oração, a meditação, o autoconhecimento e as ações enobrecedoras, equipamentos esses propiciatórios para uma consciência de paz, responsável pela conquista do progresso.

Fonte: MOMENTOS DE SAÚDE E DE CONSCIÊNCIA
Divaldo P. Franco/Joanna de Ângelis       
imagem: google 

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

ANTE O MUNDO E JESUS II

                Aprende com a luz. Após realizar o seu périplo, no Universo, depois de contornar a nossa hiperesfera, volve à fonte geradora, seu ponto de partida...
                Ninguém, mesmo que o deseje, jamais fugirá da sua nascente divina...
                Aproveita, portanto, hoje.
                No duelo, mundo e Jesus, a tua será a opção da permanente angústia ou da promissora ventura.
                Diante da moeda que trazia a efígie de César, respondendo à colocação maliciosa e venal do adversário gratuito, Jesus definiu a situação do contributo que cada um deve dar: “a César, o que lhe pertence e a Deus o que é dEle”.
                Dele, é a vida, e Jesus é o caminho único, mediante o qual lograrás alcançá-lO.


Fonte: ALERTA – Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis
imagem: google

sábado, 30 de setembro de 2017

ANTE O MUNDO E JESUS I

                O mundo pede socorro a Jesus.
                Ele atende, porém, espera por nós.
                O mundo apresenta a larga faixa dos necessitados de pão.
                Jesus, entretanto, não se esquecendo destes, socorre também os que tem necessidade de luz.
                O mundo roga paz, nos estertores da violência em que se debate.
                Jesus transmite tranquilidade, todavia, emula todos a que nos auxiliemos na fraternidade.
                O mundo suplica apoio, a fim de liberar-se das constrições do ódio e da loucura.
                Jesus, no entanto, é recursos libertador, que propõe a paciência fraternal e o trabalho solidário entre as criaturas.
                O mundo promove desespero e algaravia.
                Jesus doa silêncio e fé.
                Compara as incertezas no mundo e a segurança com Jesus.
                Considera os impositivos de fora, no mundo, e as forças interiores que se haurem em Jesus.

                Vive, no mundo; no entanto, nunca te apartes de Jesus.
                Tua vida física, mesmo que se alargue por dezenas de anos-a-fio, defronta um momento em que cessa, conquanto a tua realidade espiritual com Jesus jamais terminará.
                O mundo te leva a conquistas, mas, Jesus, quando conquista, Vaz que o homem se vença por dentro.
                As vitórias externas esmaecem e passam, as íntimas se fortalecem e ficam.


Fonte: ALERTA – Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis
imagem: google

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

SEMPRE ADIANTE


Ninguém, na Terra, escapa
Aos momentos de crise.
Agora é um prejuízo,
Depois é a queda em erro.
Aqui surge um desastre,
Mais além é um desgosto.
Hoje é a desilusão
Ante um amigo que foge.
Amanhã é a doença,
Logo após é outra dor.
Mas, trabalha e prossegue.
Deus te guarda o melhor.


Emmanuel
imagem: google 

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

ENSINAMENTO E SURPRESA

                Um companheiro amargurado por desgostos do cotidiano, certa feita, através de emissora interiorana, ouviu a voz empolgante de um professor de otimismo que lhe cativou a atenção e a simpatia.
                De três em três dias, ei-lo prostrado junto ao receptor, a fim de registrar os conceitos do orientador distante.
                Tão admirado se viu com as respostas com que o prestimoso amigo reconfortava e instruía aos ouvintes, que lhe dirigiu a primeira carta, solicitando-lhe auxílio para sanar as inquietações de que se reconhecia objeto.
                Entusiasmado com os apontamentos que obtinha pelo sem fio, confiou-se à copiosa correspondência, na qual de expunha ao mentor, rogando-lhe as opiniões que chegavam, sempre sinceras e sensatas.
                Aquele homem, cujas palavras de paz e compreensão se espalhavam pelo rádio, devia conhecer as mais intrincadas questões humanas.
                Para quaisquer indagações, expedia a resposta exata e tanto adentrou na faixa dos pensamentos novos que lhe  eram endereçados que o amigo, dantes fatigado e pessimista, observou-se curado da angústia crônica que o possuía.
                Renovado e feliz, deliberou exteriorizar a gratidão que lhe vibrava nos recessos do ser, procurando abraçar o benfeitor pessoalmente.
                Combinaram dia e hora para o encontro e o beneficiado despendeu oito horas, em automóvel, varando estradas difíceis, de modo a reverenciar o professor que lhe reabilitara as forças para a vida.
                Só então, depois de atingir a cidade para a qual se dirigia, entre consternação e júbilo, conseguiu avistá-lo, verificando, por fim, que o distinto radialista, que lhe devolvera a alegria de viver e trabalhar, era paralítico e cego.
                Aprendamos a compreender para sermos compreendidos.


Fonte: Agora é o Tempo – Chico Xavier/Emmanuel
imagem: google

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

LIVRE-ARBÍTRIO DOS ANIMAIS

            Todos os animais possuem livre-arbítrio, isto é, tem liberdade de escolher, mas sua liberdade é restrita ao seu meio de sobrevivência. As escolhas que fazem estão relacionadas a fatos e consequências imediatas ligadas à vida material. Uma ameba, um ser unicelular, pode escolher absorver uma determinada substância nutritiva ou outra. Um predador pode escolher entre uma e outra presa; uma presa pode escolher escapar do predador usando um ou outro método de fuga; um cão pode escolher entre comer uma ou outra ração que tenha preferência; um cavalo ou um muar escolhe entre empacar ou trabalhar; e assim por diante, mas à medida que exercitam seus potenciais intelectuais podem fazer escolhas cada vez mais complexas, como foi o caso de uma cadelinha africana que, tendo encontrado uma criança recém-nascida, abandonada na estrada, escolheu arrastá-la até onde estavam seus filhotes e a amamentou até ser salva por pessoas que a encontraram. Em outro caso, uma cadelinha de porte pequeno escolheu arriscar a própria vida para salvar a de seu dono, um senhor de 80 anos, que foi atacado por outro cão maior. Ela o defendeu contra um animal maior, indo contra sua natureza instintiva de sobrevivência que diz a ela para se afastar de um animal que a ponha em risco de morte. Dellanne conta o caso de um cão que, notando que alguém se afogava, escapou de sua coleira e saltou dentro do lago para salvar a criança em perigo.
            Para tomarem as decisões que os animais desses exemplos tomaram, não podemos dizer que foram meramente atos instintivos, pois foram ações que contrariam seu instinto de sobrevivência. Foram atos pensados e conscientes.


Fonte: A ESPIRITUALIDADE DOS ANIMAIS – Marcel Benedeti
imagem: google

terça-feira, 26 de setembro de 2017

ESPONTANEIDADE NA PRÁTICA DO BEM

Pergunta - Manter o coração disponível à caridade configura um estágio evolutivo
superior ao daquele que dá ocasional mas prazerosamente um óbulo ao
necessitado?
Chico - A espontaneidade na prática do Bem evidencia sempre mais altos degraus
na maturidade espiritual da criatura. Auxiliar os outros, por si mesmo, será
compreensão, enquanto que a mesma atitude, por disciplina, em muitos casos,
será constrangimento, considerando-se, porém, que a obediência é sempre
louvável. (outubro de 1976)
Pergunta - Entre a vontade-prazer e a vontade de servir ao próximo, há outro
caminho viável além de Cristo?
Chico - Deus concedeu a todos os povos do mundo caminhos espirituais para
transformar a vontade de simples prazer em vontade de cultivar
permanentemente o prazer de servir ao próximo; no entanto, a Providência
Divina nos apresenta em Jesus Cristo o caminho mais alto e mais seguro para
isso. (julho de 1977)
Pergunta - Chico, sempre que leio as afirmações, teses e construções
materialistas dos cientistas do nosso mundo, me lembro da célebre expressão
de Santo Agostinho: “Que absurdo não crer”. Não te ocorre isto também?
Chico - O médium sorri e diz apenas: A fé opera maravilhas. (FW, novembro de 1980)
Pergunta - No seu entender, qual a fórmula de ouro que nos permitiria ou nos
permitirá viver relativamente felizes neste mundo?
Chico - Caro amigo, estamos certos de que não existe outra fórmula mais exata para
sermos felizes, além da «regra de ouro” iluminada pela mensagem do Cristo:
«Amai-vos Uns aos Outros, Tal Qual Vos Amei.” (junho de 1977)


Fonte: LIÇÕES DE SABEDORIA - MARLENE ROSSI SEVERINO NOBRE
imagem: google

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

INDIFERENÇA E CALOR HUMANO

Pergunta - Haverá maior frio na alma que a indiferença dos nossos semelhantes?
Resposta - Pode haver indiferença dos nossos semelhantes para conosco, entretanto de nós para com os outros isso não deveria acontecer. Cremos que se Jesus houvesse levado em conta nossa incapacidade para assimilar-lhe de pronto o
desvelado e intenso amor, o Cristianismo não estaria brilhando, e brilhando cada vez mais na Terra. Quem ama tem sempre bastante calor humano para distribuir. (agosto de 1976)


Fonte: LIÇÕES DE SABEDORIA - MARLENE ROSSI SEVERINO NOBRE
imagem: google

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

O ESPANTALHO

Espírito: HILÁRIO SILVA.
O astuto comandante de entidades das trevas reuniu a pequena expedição de companheiros que voltavam da esfera física, onde haviam ido a combate aos espíritos, e lhes tomava contas.
- Eu, - dizia um dos perseguidores, sarcásticos, - torturei a cabeça de fervoroso pregador de Kardec, impedindo-lhe o acesso à tribuna por mais de dois meses.
- Ótimo! – falou o chefe – entretanto, isso terá trazido muitos benfeitores ao
socorro preciso.
- Eu - chacoteou um deles – consegui provocar a queda de uma criança anulando o concurso de operosa médium passista por duas semanas.
- Excelente! – concordou o diretor das sombras – mas não resolve porque muita gente do plano superior terá vindo...
Outros relacionaram atividades inferiores diversas sem que o mentor cruel
demonstrasse encantamento maior.
Um deles informou, porém:
- Eu encontrei um grupo de espíritas convictos e devotados, mas passei a frequentar-lhes o pensamento, dizendo-lhes que eles eram imperfeitos, imperfeitos e imperfeitos, até que todos acreditaram não valer mesmo nada... Então ai todos cruzaram os braços e começaram a dormir em abatimento e desânimo.
O tenebroso dirigente deu enorme gargalhada e recomendou a turma sombria a levantar, com urgência, em cada sementeira do Espiritismo, o espantalho da imperfeição...


Fonte: Ideal Espírita – Chico Xavier/Espíritos Diversos
imagem: google

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

REUNIÕES DE MATERIALIZAÇÃO

ANDRÉ LUIZ
Meu Amigo:
Se você pretende cooperar no apostolado da revelação, materializando os benfeitores do Céu no caminho dos homens, desmaterialize a própria vida, para que as suas forças se aperfeiçoem auxiliando com eficiência na obra renovadora do Céu, em benefício da Humanidade.
Reajuste os seus hábitos e eduque as suas manifestações de sentimento e pensamento, adaptando-se, quando possível, ao padrão de vida mais alta que o ministério dessa natureza reclama, em qualquer parte.
Em assembleias dessa ordem, cada visitante ou assistente irradiam as ondas vitais em cuja intimidade se colocam.
O frasco de perfume esparge o aroma sublime de que se paz portador.
O vaso de detritos fornece as emanações desagradáveis que lhe correspondem.
Outra não é situação de cada companheiro na reunião que se disponha a receber as demonstrações do Plano Espiritual.
Se você aspira à subida para conviver com a luz, não se negue ao esforço de abandonar o vale das sombras em que o nosso coração vem palpitando há tanto tempo.
Melhores tudo, dentro de você, para que tudo melhore ao redor de seus passos.
Lembre-se de que as dificuldades impostas ao nosso roteiro pelos que não nos compreendem, não devem ser a norma de vida para nós.
É imprescindível a nossa renovação, para acompanharmos, tanto quanto possível o voo deslumbrante dos espíritos que nos renovam e evoluem.
Há pequeninos prazeres que, à maneira dos micróbios violentos ou perseverantes que nos desintegram o envoltório físico, nos intoxicam a alma e nos destroem as melhores esperanças.
Todos somos dínamos pensantes, nos mais remotos ângulos da vida, com o Infinito por clima de progresso e com a Imortalidade por meta sublime.
Geramos raios, emitimo-los e recebemo-los, constantemente. Nossas atitudes e deliberações, costumes e emoções criam cargas elétricas de variadas expressões.
Reflitamos nisso e estaremos habilitados a colaborar com as manifestações dos nossos amigos e mentores da Espiritualidade.


Da Obra “UApostilas da VidaU” -Espírito: André Luiz - Médium: Francisco Cândido Xavier.
imagem: google